SINDPOL/MG na onda do Wikileaks II.

SINDPOL/MG na onda do Wikileaks II

Policiais do Barreiro desmascaram guarnição da P2, travestidos de policiais civis, usurpando função e tentando extorquir de conduzido dentro de delegacia.

Foi nesta madrugada de sexta feira (25/03), que a equipe de plantão da 1ª Delegacia Regional do Barreiro deparou com um fato, infelizmente nos últimos dias  fato comum. Após terem sido conduzidos sob acusação de porte ilegal de armas, Lei 10.826/2003, por uma guarnição da Polícia Militar, dois jovens passaram a ser interrogados e fotografados por três, supostos policiais civis (dois homens e uma mulher), que sem dar qualquer satisfação aos policiais civis titulares daquele plantão, passaram a, deliberadamente, fotografar os conduzidos e a interrogá-los acerca de prática de outros crimes, possivelmente praticados por eles. Segundo documentação, reduzida a termo, em determinado momento estes supostos policiais, que se identificaram como tal, passaram a exigir vantagem financeira dos conduzidos para não os “indiciarem” em delito de maior gravidade. Neste momento foram interpelados pelo Inspetor do plantão que não foi atendido na sua exigência de que os mesmos se identificassem formalmente para ele.

O Tenente que comandava a pretensa operação, saindo em defesa dos indigitados policiais, disse que os mesmos estavam sob o seu comando e, portanto, só deviam obediência e satisfação ao mesmo, e que isso tratava-se de um procedimento, simplesmente normal.

A autoridade policial por sua vez, devidamente cientificada pelo Inspetor acerca dos fatos, tomou todas as providencias administrativas e policiais cabíveis, reportando ao superior hierárquico e formalizando os autos, reduzindo a termo. ATITUDE DISCRICIONÁRIA E EXEMPLAR DA AUTORIDADE POLICIAL.

O Inspetor, na condição de Chefe das investigações e do plantão, cuidou de registrar as imagens, que agora passamos a veicular neste site, demonstrando mais uma distorção da política de integração, e constando que muitas das irregularidades e desvio de conduta imputados a possíveis policiais civis, muitas vezes é resultado de ações de militares que, travestidos de policiais civis, praticam ilegalidades, manchando o bom nome da instituição Polícia Civil.

Os fatos que vocês passaram a ver, deixam claro as imperfeições da política de governo chamada “Integração”, e do risco que corre o cidadão, a legitimidades das instituições e a segurança jurídica. Logo, mais uma vez, o SINDPOL/MG no seu dever, mostra que estes atos e distorções, que caracterizam crime de usurpação de função, abuso de poder, falsidade ideológica, dentre outros, não são fatos isolados

O SINDPOL/MG saúda e parabeniza a exemplar e discricionária atitude do Inspetor, dos Investigadores, Escrivães e do Delegado de Polícia da 1ª Delegacia de Plantão do Barreiro, que mostraram realmente, qual é o papel da Polícia Civil no fiel exercício de seu cargo (investigação criminal e discricionalidade).

 

 

Relatório do Inspetor

Informação da Autoridade Policial

Auto de Prisão em Flagrante Delito

video

X