Polícia Civil apresenta dados das investigações sobre crimes em Santa Margarida

19 de julho de 2017

Publicado no Portal Caparaó, em 17/7, por Jailton Pereira

MANHUAÇU (MG) – Os quatro acusados no assalto a agências bancárias de Santa Margarida, que culminou na morte do Policial Militar, Cabo Marcos Marques e do Vigilante Leonardo Mendes, foram apresentados, no dia 17/7, na sede da 6ª DRPC, em Manhuaçu.

Três foram presos no dia do crime após tentarem fuga em meio à mata, no Córrego Bom Jardim, zona Rural de Santa Margarida. O quarto acusado foi preso na tarde do último domingo, 16/07, pela Polícia Militar, após quase 150 horas de buscas ininterruptas. Ele estava escondido dentro de uma casa próximo ao trevo de Orizânia.

Segundo o superintendente de Investigações e Polícia Judiciária da Polícia Civil de Minas Gerais, Dr. Márcio Lobato Rodrigues, a prisão dos envolvidos foi uma rápida resposta a sociedade. Entretanto, é um retorno parcial, e as linhas de investigações vão continuar, pois existe a possibilidade da quadrilha ter mais integrantes.

“Já sabemos que algumas armas usadas no crime foram adquiridas de uma terceira e existe fortes indícios que estes envolvidos fazem parte de uma quadrilha muito bem organizada, especializada neste tipo de crime, e com esse trabalho excelente por parte da Polícia Militar e Polícia Civil de toda a região e agora com a Polícia Civil de Manhuaçu e de Muriaé, tenho certeza que renderá grandes frutos para a população de Minas Gerais”, disse o superintendente.

O delegado de Matipó, Felipe Ornelas, afirma que os quatro criminosos irão responder por latrocínio e demais crimes que cometeram. Segundo ele, o policial Marcos foi alvejado com sete disparos de arma de fogo, um no ombro e na face. “Todos os três criminosos que estavam na carroceria da caminhonete Fiat Toro dispararam contra o militar, mas ainda desconhece qual projetil vitimou o policial. Em conversas com os bandidos, dois deles afirmaram que Sirlande da Silva Ferreira se vangloriou de ter acertado o cabo Marcos” completou Dr. Felipe.

Felipe Ornelas conta ainda que infelizmente o Brasil não possui o aparato para combater a violência e os bandidos se aproveitam dessa situação para cometer crimes. “Mal sabem eles que a Polícia Civil vai responder imediatamente e tornará as ações deles cada vez mais difíceis”.

Para o Chefe do Setor de Inteligência da Delegacia de Muriaé, Dr. Tayrone Espínola, a quadrilha já vem sendo investigada por diversos crimes naquela região. “Exatamente, essa quadrilha vem praticando crimes em toda a nossa região, sempre com requinte de muita violência. Estamos investigando esta quadrilha há algum tempo e agora com a prisão desses elementos outras pessoas podem ser presas”, disse.

O Delegado Regional, Carlos Roberto de Souza, afirma que pelo menos cinco das armas usadas no assalto foram roubadas em 2014, e isso demonstra que a quadrilha atua na região há pelo menos três anos. “A quadrilha já vem atuando na região há algum tempo, pois existe a comprovação de que explodiram um caixa eletrônico em Santa Margarida, em janeiro deste ano, e posteriormente, realizaram a mesma ação em Sericita, e em seguida Alto Jequitibá, inclusive com o colete tomado de um segurança naquela ação foi recuperado durante a prisão deles. Ainda existem indícios de terem participado dos furtos em Chalé”, destaca. O delegado disse ainda a possibilidade de execução de um membro da quadrilha, com armas do mesmo calibre que foram apreendidas, por parte dos próprios companheiros, em virtude de um desentendimento.

Posicionamento do Sindpol/MG

A direção do Sindpol/MG destaca a pronta resposta em uma apuração rápida, a esse revoltante episódio que retrata o sucateamento e carência de investimento na política Estadual de Segurança Pública. Falta de efetivo e logística pra enfrentamento qualificado ao crime organizado.

Fonte: Portal Caparaó –  parceiro do Plantão Policial (com adaptações do Sindpol/MG)

X