Operação Pix prende três suspeitos em Belo Horizonte

29 de setembro de 2021

Em mais uma ação de combate aos crimes contra o patrimônio, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou, no dia 21 de setembro, a operação Pix, que teve como objetivo combater uma organização criminosa que atuava no furto/roubo de celulares e que, de posse desses aparelhos, realizava a subtração de dinheiro de contas bancárias através de transações pelo Pix.

Durante a ação, foram cumpridos três mandados de prisão temporária e seis mandados de busca e apreensão, em Belo Horizonte e Vespasiano, Região Metropolitana. Os alvos dos mandados de prisão, dois homens de 25 e 34 anos, e uma mulher de 37, também foram autuados em flagrante por receptação qualificada, uma vez que estavam de posse de celulares com impedimento por registros de furtos.

A PCMG apreendeu diversos celulares, alguns com queixas de furto e registro de impedimento, a quantia de R$4 mil e um veículo de luxo.

Investigações

O serviço de inteligência policial, através da análise de ocorrências, identificou que as vítimas procuraram a delegacia registrando ocorrência de furtos/roubos de aparelhos celulares e que constataram transações bancárias desconhecidas realizadas via Pix em suas contas bancárias.

Organização Criminosa 

Segundo apurado o grupo possui a seguinte divisão:

1 – os criminosos responsáveis pelos furtos e roubo dos aparelhos;

2 – receptadores compravam os celulares;

3 – hackers eram responsáveis pelo desbloqueio dos aparelhos e transferências bancárias via Pix.

A PCMG apurou que os acessos às contas bancárias dos aparelhos celulares eram realizados após contatos telefônicos com as vítimas, informando que o aparelho celular teria sido recuperado. As vítimas eram ludibriadas a repassavam a senha ou acessavam um link enviado pelos criminosos. Após o acesso ao aparelho celular, hackers acessavam a conta bancária e realizaram transferências.

As investigações continuam com o objetivo de identificar os demais integrantes da quadrilha e esclarecer o papel que cada suspeito empenhava na organização criminosa.

O Sindpol/MG parabeniza as investigações realizadas pela equipe da 3ª Delegacia de Polícia Civil Centro e o apoio dos policiais das delegacias que compõem a Delegacia Regional Centro (1ª, 2ª e 4ª DPC Centro).

Fonte: Assessoria de Comunicação da PCMG, com modificações

X