Nota de repúdio – Sindpol/MG repudia fala da deputada federal Carla Zambelli

29 de abril de 2020

A Direção do Sindpol/MG também repudia a fala infeliz e desnecessária da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) contra policiais civis, conforme nota de repúdio publicada pela Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol).

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), não satisfeita com a gravidade do episódio relativo à saída de Moro do Ministério da Justiça, resolveu jogar mais gasolina na fogueira da crise.

Sem papas na língua, falando sem pensar, como é bem do seu estilo, ao analisar os riscos de violação da autonomia da Polícia Federal, em razão das consistentes denúncias feitas pelo ex-ministro, saiu com as seguintes pérolas:

O policial federal tem autonomia na investigação, pois a Policia Federal é auditada pelo Ministério Público;

A Polícia Federal é a instituição mais séria que nós temos na República brasileira;

(a) Polícia Civil todo mundo desconfia. Nem todos Policiais Civis são corruptos, mas existe muita corrupção;

Existe milícia no Rio de Janeiro. Na Polícia Federal você não ouve falar, porque quando tem algo de errado eles cortam na própria carne;

Quando existe algo de errado na PF, o cara é investigado, o cara é expulso, até porque existe o controle externo do MP.

Só não frisamos mais asneiras porque o vídeo divulgado nas redes sociais pela deputada é curto. Mesmo assim, em pouco tempo ela conseguiu destilar veneno contra os bravos Policiais Civis e nossa instituição. Nitroglicerina pura, que merece uma resposta altiva, em que pese a sua insignificância no mapa político nacional.

Afinal, quem é Carla Zambelli senão a deputada conhecida nesse episódio envolvendo o ex-ministro Moro, quando tentou dissuadi-lo a permanecer no Ministério da Justiça por meio das práticas mais rasteiras e torpes da política. Uma tentativa de corrompê-lo, o que foi denunciado por ele próprio ao responder que “não estou à venda” e revelado ao país na reprodução das mensagens entre os dois.

Realmente, a Polícia Federal é uma instituição séria. Se é a mais séria da República, como ela diz, não nos cabe esse julgamento, nem mesmo sobre a classe política e a instituição a que pertence a sra. Zambelli.

Agora, perguntamos à deputada: com base em que afirma que na Polícia Civil “todo mundo desconfia” e que nela “existe muita corrupção”. “Todo mundo”, quem? Há alguma pesquisa indicando esse absurdo?

Sabemos que não, portanto, trata-se de um profundo e abominável preconceito contra nossos profissionais e a instituição, na qual identificamos problemas sim, como em todas as demais, mas não temos notícia de que os Policiais Civis foram alvo de inquéritos, investigações e condenações como o foram outros segmentos da sociedade, principalmente políticos e grandes empresários.

E os nossos problemas são decorrentes, principalmente, da ausência de sensibilidade política, respeitadas as exceções, de governos e políticos como a Sr.ª que nunca valorizaram a luta dos profissionais de segurança e, em particular, a dos Policiais Civis para implantar o Ciclo Completo com a Carreira Única, previsto em nossa proposta de Lei Orgânica, como caminho mais eficiente para corrigir as atuais distorções, que hoje penalizam sobremaneira os trabalhadores.

Agora, se a Sr.ª possui alguma informação sobre atos de corrupção na instituição ou entre Policiais Civis ou, ainda, sobre milicianos entre eles, tem a obrigação, até em função de sua posição como parlamentar, de denunciar aos órgãos competentes, pois, da mesma forma que na Polícia Federal, nós também temos os nossos instrumentos de controle.

Certamente não o fará, uma vez que suas declarações são fruto da sua leviandade, vileza e mesquinharia, aliás, elementos que parecem muito nítidos em sua personalidade.

Fica, aqui, o repúdio da COBRAPOL, de suas Federações e Sindicatos filiados, e de todos os 200 mil Policiais Civis, ativos e inativos, que representamos, às palavras de uma deputada em cujo episódio revelou não ser nem um pouco digna do mandato parlamentar que, esperamos, seja o primeiro e último, se não for abreviado pelos atos irresponsáveis que já praticou. E, por fim, se ainda houver um pouco de dignidade na deputada, retrate-se perante a sociedade pela grosseria cometida de forma covarde contra os Policiais Civis do Brasil que tanto fazem pelo país.

Fonte: Cobrapol (com adaptações)

X