Mudança de estratégia não é suficiente para baixar crimes.

Mudança de estratégia não é suficiente para baixar crimes

Por dia, 233 pessoas são vítimas de crimes violentos em Minas Gerais, uma média de nove por hora, de acordo com dados da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Esse número vem crescendo mês a mês, o que já totaliza um aumento de 20,4% de janeiro a julho deste ano, em comparação com o mesmo período de 2012. Isso um ano e meio após a mudança de gestão e de estratégias na Seds como forma de combater a criminalidade.


Os dados levam em conta as ocorrências mais graves, que são homicídio, tentativa de homicídio, roubo, estupro, sequestro e extorsão mediante sequestro. Só neste ano, foram registrados 49.441 crimes desse tipo em todo o Estado, contra 41.067 no mesmo período de 2012. O balanço da Seds revela uma evolução quase contínua mês a mês. Março, abril e maio registraram picos de violência, com mais de 7.000 ocorrências cada um, seguidos de junho, que teve 6.724, e depois de julho, com 7.392.

A situação se repete em Belo Horizonte e na região metropolitana, onde os crimes violentos cresceram 14,6% e 16,6%, respectivamente. Só na capital, foram 17.055 registros neste ano, uma média de 80 crimes por dia, três a cada hora. Na região metropolitana, ocorreram 28.511 casos, contra 24.448 em 2012.

“Esse aumento se deve principalmente ao roubo, que, embora tenha tido uma queda nos meses de maio e junho, teve um crescimento preocupante. Mas esse é um fenômeno que vem ocorrendo no Brasil como um todo e está muito ligado ao tráfico de drogas”, declarou o secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz.

Dos 49.441 crimes violentos deste ano em Minas, 42.425 são de assalto e extorsão mediante sequestro, um aumento de 23,9% em relação aos primeiros sete meses de 2012, que teve 34.232 registros.

Os homicídios também tiveram aumento, embora menor que o registrado em 2011 e 2012. O Estado teve 2.295 assassinatos de janeiro a julho deste ano, contra 2.243 no mesmo período de 2012, uma elevação de 2,3%. Já na capital e na região metropolitana houve, queda de 19,4% e 1,5%, respectivamente.

O auxiliar de construção Pablo Henrique Silva, 19, foi mais uma das vítimas da violência. Ele foi assassinado a tiros na última terça-feira, em um campo de futebol no bairro Conjunto Água Branca, em Contagem, na região metropolitana. “Se houvesse uma polícia mais ativa, um crime como esse poderia ter sido evitado”, afirmou a irmã da vítima, que pediu anonimato. O motivo do crime até hoje é um mistério para a família. O jovem era o caçula de uma família de cinco irmãos.


Mais viaturas e câmeras são apostas para baixar roubos
O secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz, disse estar confiante em que os números de crimes violentos devem se estabilizar nos próximos meses em Minas. Ele aposta na entrega de 3.200 viaturas para a Polícia Militar e na instalação de pelo menos 700 novas câmeras do Olho Vivo em 23 municípios. O investimento é de R$ 600 milhões em dois anos.

“Estou seguro de que temos ações suficientes para conseguir entrar em um processo de redução dos crimes”. Já o sociólogo Robson Sávio questiona o alto investimento em viaturas. “O governo foca muito a repressão, quando deveria investir em prevenção”.

Um das medidas, segundo ele, é ampliar o Fica Vivo, programa voltado para jovens. “O Estado tem 41 unidades, sendo que o governo prometeu cem há três anos”, disse Sávio. Ferraz disse que irá inaugurar mais quatro neste ano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: O Tempo

X