A Polícia está em greve, mas apesar da situação de sucateamento e abandono todos os Servidores da PCMG se esforçam para o cumprimento de seu mister:Um rapaz está preso e dois menores acautelados são acusados de terem assassinado garoto em Miraí.

A Polícia está em greve, mas apesar da situação de sucateamento e abandono todos os Servidores da PCMG se esforçam para o cumprimento de seu mister:Um rapaz está preso e dois menores acautelados são acusados de terem assassinado garoto em Miraí.

O delegado de polícia titular da comarca de Miraí,Thiago Soares Marty, falou nesta segunda-feira, 14, com exclusividade ao Site do Marcelo Lopes,sobre o trabalho realizado por sua equipe e sob o seu comando que culminou na elucidação do assassinato do garoto de 12 anos de idade, Adriano Fortunato Júnior, mais conhecido como Adrianinho. O crime, que abalou toda a região, aconteceu naquela cidade no começo da noite de 16 de setembro último quando o corpo do garoto foi encontrado estirado ao chão, ensanguentado, num local ermo e escuro, na saída para Muriaé. "Ele foi atraído para aquele lugar, que não tinha luz nem câmeras de segurança, porque pensavam praticar um crime perfeito", analisou o delegado. Thiago Marty entrou para a Polícia Civil de Minas Gerais em março deste ano tendo sido designado para Miraí.
 
Prestes a completar um mês do homicidio, o delegado, revelou em detalhes à reportagem do Site, como chegou aos culpados. "Vinte e quatro horas depois do assassinato de Adrianinho nós já tinhamos os nomes dos responsáveis e toda a história esclarecida, mas não podíamos divulgá-la por causa dos procedimentos legais que ainda precisavam ser tomados e que estavam em andamento", contou. Ele mobilizou toda a sua equipe de policiais que, segundo ele, "trabalhou incansavelmente até chegarmos à solução deste crime", destacou. A rapidez e a eficiência daquele delegado e de sua equipe neste homicidio mereceu elogios do Delegado Regional de Leopoldina, Paulo Henrique Marinho Goldstein, e o próprio Thiago enviou ofício aos superiores solicitando a inserção de menção por bons serviços prestados na ficha profissional de seus subordinados que atuaram no caso.
 
Thiago Marty revelou que "no começo nós suspeitávamos apenas do envolvimento de três menores no caso, mas no prazo de vinte e quatro horas foi apurado que seis menores tiveram envolvimento e um maior de idade; este maior com vinte e três anos. Sendo que na quinta-feira, 19 de setembro de 2013, teve audiência de apresentação dos seis menores no Fórum. O Juiz e o Promotor da Comarca de Miraí, entenderam por bem acautelar, provisoriamente, dois desses menores; um de doze anos e outro de quinze anos de idade, porque tiveram uma participação mais efetiva no caso", revelou. Eles foram levados em seguida para Visconde do Rio Branco e hoje, ainda conforme revelou Thiago Marty, estão em Juiz de Fora, onde poderão ficar entre 45 dias ou até completarem a maioridade, "conforme prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente", informou.
 
A respeito da prisão do rapaz maior de idade, identificado como Israel da Silva, 23 anos, o Rael, Thiago Marty disse que ele está preso em Cataguases "tendo em vista que Miraí é uma cidade pequena e pacata, a pouca idade da vítima e a brutalidade com que foi cometido o crime", acrescentou o delegado. Ainda segundo ele, a motivação do crime seria uma possível dívida que a mãe de Adrianinho teria com Israel. "A mãe do menor, da vítima, teria uma dívida de droga com esse rapaz e ele se vingou realizando esta brutalidade. Pelas investigações, ficou bem caracterizado, principalmente nas declarações que os menores prestaram, que ele (Rael) teve uma participação efetiva no crime, inclusive desferindo golpes com um pedaço de madeira (foto acima) na cabeça da vítima", explicou. O delegado revelou ainda que Israel foi indiciado pelo crime de "homicidio qualificado por motivo torpe e fútil por meio cruel e por ter incitado os menores a participar. E também por crime de corrupção de menores". Doutor Thiago completou dizendo que Israel já tinha passagem pela polícia e respondia por furto.
 
Fonte:  Marcelo Lopes
 
X