Destaque policial – Quadrilha responsável por furto a casas em BH e no interior é presa

Publicado em O Tempo, por Bruno Inácio, em 29/08/2016

Foram tantos crimes que nem mesmo os presos sabiam definir. Imóveis de alto poder aquisitivo em Belo Horizonte e no interior do Estado foram alvo de uma quadrilha suspeita de roubos e furtos nos últimos seis meses. Dez pessoas foram presas e apresentadas na última segunda-feira (29) pela Polícia Civil.

O delegado Thiago Machado explicou que, antes de cometer os crimes, os bandidos estudavam os imóveis, a fim de encontrar os que seriam mais rentável para o bando. Um gari, de 21 anos, rodeava as casas, usando um uniforme da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) da capital e passava os dados aos comparsas antes dos roubos. “Então, eles tocavam a campainha da casa, certificavam que não tinha ninguém e, em cerca de dez minutos, levavam o que podiam”, afirmou Machado.

Além dos bairros Buritiz, Santa Lúcia e Mangabeiras, na região Centro-Sul, e Grajaú e Camargos, na região Oeste de Belo Horizonte, foram identificados crimes nas cidades de Luz, Bom Despacho, Itaúna e Oliveira, na região Centro-Oeste de Minas. Com os suspeitos foram apreendidos centenas de objetos como joias, relógios, televisões, carros e celulares. Outros crimes ainda são apurados. “Os próprios bandidos ficam confusos com a quantidade de crimes que eles cometeram, muitos outros ainda são investigados”, contou o delegado.

Agora, a Polícia Civil está identificando alguns dos receptadores dos produtos para que eles respondam pelo crime de receptação. A informação é do delegado Ramon Sandoli, chefe do Departamento de Operações Especiais da Polícia Civil (Deoesp).

Reincidente

Os detidos moram no bairro Vera Cruz, na região Leste da capital. Dentre eles, estava um rapaz, de 24 anos, que já havia sido detido por roubo. De acordo com a Polícia Civil, ao ser preso, nesta vez, ele usava uma tornozeleira eletrônica. Agora, além de perder o direito ao uso do equipamento, ainda responderá por outros crimes.

Em sua defesa, o suspeito disse que a tornozeleira eletrônica resolve o problema do crime. “Depois que fui condenado eu nunca saí de casa. Não cometi nenhum roubo”, afirmou. Outro suspeito detido, de 36 anos, disse que roubava desde pequeno. Já os outros oito detidos preferiram o silêncio.

Os dez presos responderão por furto, roubo, receptação e associação criminosa para o crime. Eles estão detido no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) Centro-Sul, na capital.

Fonte: O Tempo

 

X